APESB © 2016.Todos os Direitos Reservados

 

Série IV - n.º 2

 

 

 

ARTIGO COMPLETO

 

DOI: 10.22181/aer.2017.0203

 

 

 

Reciclagem com incentivo econcómico e a heurística da ancoragem

 

Joana Fernandes, Maria Eduarda Fernandes

 

RESUMO

 

Tendo em conta o atual debate nacional, em termos da necessidade de implementar instrumentos económicos associados à performance da gestão de resíduos, uma correta fixação do valor do incentivo assume particular importância. Nesse sentido, o presente estudo analisa o impacto da utilização de diferentes valores na determinação dos incentivos económicos para a reciclagem, caso seja adotada, para o efeito, a metodologia de valoração contingente por parte dos responsáveis de política. Utilizando uma metodologia quase experimental, avalia-se a existência do efeito ancoragem para a valoração do incentivo para reciclar três tipos de materiais distintos: plástico, vidro e papel. Com base nas respostas obtidas a partir de um primeiro questionário (do grupo de calibragem) determinam-se as âncoras alta e baixa para os três materiais referidos. Com base nos resultados obtidos, conclui-se existir um efeito ancoragem na indicação dos participantes quanto ao valor que necessitariam de receber para reciclar. Este efeito é notório sobretudo no caso da âncora baixa e, de entre os três materiais analisados, fazse sentir com maior intensidade no caso do vidro. A perceção da existência deste tipo de efeito pode assim contribuir para a utilização dos incentivos mais adequados, isto é, que melhor sirvam o interesse público e a obtenção de níveis de reciclagem mais elevados.

 

PALAVRAS-CHAVE: ancoragem; incentivo económico; valoração contingente; resíduos; reciclagem.

 

DOI:  10.22181/aer.2017.0203

 

 © apesb 2017